sexta-feira, 22 de junho de 2018

Retomada Indígena Kamakã Grayra/Esmeraldas/MG: O direito à terra. 1ª Par...

Retomada Indígena Aldeia Kamakã Grayra, em Esmeraldas, MG: O direito à terra. Reconhecer a legitimidade da Retomada é dever do Governo de Minas Gerais. 06/6/2018.

 Lideranças indígenas Kamakã Mongoió, da Aldeia Kamakã Grayra, em Esmeraldas, Região Metropolitana de Belo Horizonte, MG, reuniram-se, no dia 06/6/2018, com representantes da CPT (Comissão Pastoral da Terra- www.cptmg.org.br ), CEDEFES (Centro de Documentação Eloy Ferreira da Silva – www.cedefes.org.br ), na Fazenda Santa Tereza da FUCAM (Fundação Educacional Caio Martins), cujo território encontra-se em retomada (os indígenas ocupando o que lhes pertence por direito), há um ano e meio. Vítimas do preconceito, da discriminação, da violência e de injustiças constantes na cidade de Belo Horizonte e Região Metropolitana, os indígenas Kamakã Grayra decidiram pela retomada da Fazenda Santa Tereza que encontrava-se totalmente abandonada, sem cumprir qualquer função social. Hoje, as 62 famílias indígenas que lá estão já mudaram a paisagem com o cultivo de hortas, mandiocas, mudas frutíferas e se alimentam do que produzem. Nesse vídeo, a beleza da dança indígena do povo Kamakã e o depoimento da cacica Éxina (que significa Onça Guerreira), Marinalva, que fala do desrespeito que sofrem por parte de diretores da FUCAM, da importância da terra para o povo indígena, da necessidade de apoio nas negociações para que a retomada seja reconhecida legalmente e da intenção de acolher ali parentes indígenas que também enfrentam dificuldades em cidades da Região Metropolitana de Belo Horizonte/MG. Ter reconhecida a legitimidade da Retomada Indígena Kamakã Grayra, em Esmeraldas, MG, é um direito do Povo Kamakã Mongoió e um dever do Governo de Minas Gerais.

*Reportagem em vídeo de frei Gilvander Moreira, da CPT, das CEBs e do CEBI.

Edição de Nádia Oliveira, da Equipe de Comunicação da CPT-MG. Esmeraldas, MG, 06-6-2018.

* Inscreva-se no You Tube, no Canal Frei Gilvander Luta pela Terra e por Direitos, no link: https://www.youtube.com/user/fgilvander e assista a outros vídeos de luta por direitos sociais. Se assistir e gostar, compartilhe. Sugerimos.





quarta-feira, 20 de junho de 2018

Vem aí a XXI Romaria das Águas e da Terra/MG/7a Reunião de Preparação/L...

Vem aí a XXI Romaria das Águas e da Terra do Estado de Minas Gerais – 7ª Reunião de Preparação em Lagoa da Prata/Diocese de Luz/MG – 16/6/2018.

 Mais uma feliz reunião de preparação da XXI Romaria das Águas e da Terra do Estado de Minas Gerais aconteceu em Lagoa da Prata, Diocese de Luz, MG, no dia 16/6/2018. Com entusiasmo e renovado ardor profético, os participantes apresentaram a camiseta da XXI Romaria das Águas e da Terra do Estado de Minas Gerais, que tem como tema: “Das Nascentes do São Francisco às Terras da Justiça” e como lema: “Cuidando da Mãe Terra e da Irmã Água”. No próximo dia 23/6/2018 – sábado – acontecerá a 1ª Pré-Romaria da XXI Romaria das Águas e da Terra do Estado de Minas Gerais; será em Arcos, Diocese de Luz, na Paróquia Nossa Senhora do Rosário, das 13h às 17h. Iluminados pelo Evangelho de Jesus de Nazaré, inspirados pela Carta do Papa Francisco, “Laudato Si” (Louvado Seja – Sobre o Cuidado com a Casa Comum), façamos da XXI Romaria das Águas e da Terra do Estado de Minas Gerais, o encontro profético, missionário, de anúncio, de denúncia, de solidariedade, de comunhão de luta contra toda forma de destruição da vida, em toda sua biodiversidade, em especial da morte lenta do rio São Francisco e suas nascentes, que clamam por socorro, por revitalização.

* Filmagem de frei Gilvander Moreira, da CPT, das CEBs e do CEBI.
Edição de Nádia Oliveira, da Equipe de Comunicação da CPT-MG.

* Inscreva-se no You Tube, no Canal Frei Gilvander Luta pela Terra e por Direitos, no link: https://www.youtube.com/user/fgilvander e assista a outros vídeos de luta por direitos sociais. Se assistir e gostar, compartilhe. Sugerimos.





Povos indígenas na RMBH: vital o apoio dos/das parceiros/as. CEDEFES/BH...

Povos indígenas na RMBH: é vital o apoio dos/das parceiros/as. Abril Indígena – CEDEFES - Belo Horizonte/MG. 7a parte. 23/4/2018.

 A realidade dos Povos Indígenas na cidade de Belo Horizonte e Região Metropolitana (RMBH) é preocupante e causa indignação nas pessoas que defendem o respeito e a justiça como direitos fundamentais de todos e todas, sem distinção. A violência crescente, o preconceito, a discriminação, a ausência de políticas publicas específicas para a população indígena da Região Metropolitana de Belo Horizonte, além das ameaças de despejo de territórios onde aldeias estão acampadas, motivaram integrantes do CEDEFES ((Centro de Documentação Eloy Ferreira da Silva – www.cedefes.org.br ), a promoverem oportuno e importante debate, inserido nas atividades do “Abril Indígena”, com o tema: “Direitos Indígenas e a questão ambiental: partilhando reflexões para a luta”. Além de várias lideranças indígenas, participaram desse debate a Professora Dra. Alenice Baeta, historiadora e arqueóloga, e outros/as integrantes do CEDEFES, o frei Dr. Gilvander Moreira, da CPT, o Pablo Camargo, historiador e indigenista, da FUNAI (Fundação Nacional do Índio), entre outros. Uma das ações concretas resultantes desse debate foi o compromisso da diretoria do CEDEFES de solicitar uma Audiência Pública à Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, para que seja realizado o debate desses graves problemas (principalmente a violência), enfrentados pelos Povos Indígenas na RMBH) e sejam, consequentemente, definidas diretrizes eficientes que garantam aos Povos Indígenas seus direitos de ir e vir com segurança, de manifestar sua cultura e, sobretudo, garantam o respeito à sua dignidade humana. Nesse vídeo, Kapua Lana, liderança indígena do Povo Puri, que trabalha como biólogo na Prefeitura de Ibirité/MG, fala da necessidade de apoio para que seja estruturada a Aldeia Indígena em São Joaquim de Bicas, MG, de forma a assegurar às famílias indígenas da aldeia condições digna de vida.

*Reportagem do frei Dr. Gilvander Moreira, da CPT, das CEBs e do CEBI.
Edição de Nádia Oliveira, da Equipe de Comunicação da CPT-MG. Belo Horizonte/MG, 23/4/2018.

* Inscreva-se no You Tube, no Canal Frei Gilvander Luta pela Terra e por Direitos, no link: https://www.youtube.com/user/fgilvander e assista a outros vídeos de luta por direitos sociais. Se assistir e gostar, compartilhe. Sugerimos.





terça-feira, 19 de junho de 2018

Povos Indígenas da RMBH (Belo Horizonte): luta necessária. 6a parte. CED...

Povos Indígenas da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH): consciência da luta necessária. Roda de Conversa no CEDEFES. 6a parte. 23/4/2018.

Um rico e necessário debate foi realizado no CEDEFES (Centro de Documentação Eloy Ferreira da Silva – www.cedefes.org.br ), dia 23/4/2018, em Belo Horizonte/MG,  inserido no “Abril Indígena”, com o tema: “Direitos Indígenas e a questão ambiental: partilhando reflexões para a luta”.  O debate se deu em uma Roda de Conversa da qual  participaram várias lideranças indígenas, a Professora Dra. Alenice Baeta, historiadora e arqueóloga, e outros/as integrantes do CEDEFES, o frei Dr. Gilvander Moreira, da CPT, o Pablo Camargo, historiador e indigenista, da FUNAI (Fundação Nacional do Índio), entre outros.  Nesse vídeo, a professora Izabel Missagia, membro integrante do CEDEFES, Doutora em Ciências Sociais (Área: Sociedades Indígenas), professora na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, fala da importância de se ampliar e fortalecer a Rede de Articulação na luta com e pelos Povos Indígenas, lembrando que as dificuldades e os problemas enfrentados pelos indígenas na capital mineira e Região Metropolitana de Belo Horizonte são comuns a todos os Povos Indígenas do Brasil. Kapua Lana Puri, liderança indígena do Povo Puri, biólogo trabalhando na Prefeitura de Ibirité, MG, relata ações da Comunidade Indígena no Distrito de Padre Brito, município de Barbacena/MG, como o 2º Festival da Cultura do Povo Puri de Padre Brito, da organização e luta da Comunidade pelo resgate e reconhecimento de sua cultura, e por direitos.  Pablo Camargo, historiador e indigenista da FUNAI (Fundação Nacional do Índio), apresenta uma visão geral dos indígenas em Minas Gerais e no Brasil, o enfrentamento constante com empresas, grileiros, latifundiários que avançam sobre suas terras, destroem o meio ambiente, e destaca também a importância da luta para a retomada de terras e garantia de direitos dos Povos Indígenas.

*Reportagem do frei Dr. Gilvander Moreira, da CPT, das CEBs e do CEBI. Edição de Nádia Oliveira, da Equipe de Comunicação da CPT-MG. Belo Horizonte/MG, 23/4/2018.

* Inscreva-se no You Tube, no Canal Frei Gilvander Luta pela Terra e por Direitos, no link: https://www.youtube.com/user/fgilvander e assista a outros vídeos de luta por direitos sociais. Se assistir e gostar, compartilhe. Sugerimos. 



#FreiGilvander


segunda-feira, 18 de junho de 2018

Povos Indígenas da RMBH/MG: Luta por reconhecimento e por direitos/CEDEF...

Povos Indígenas da RMBH/MG: Luta por reconhecimento e por direitos. Abril Indígena no CEDEFES. 5ª Parte. 23/4/2018.

O CEDEFES (Centro de Documentação Eloy Ferreira da Silva – www.cedefes.org.br ), em Belo Horizonte/MG, promoveu o “Abril Indígena”,  valorizando o mês dedicado aos indígenas, legítimos guardiães das terras brasileiras, com o debate: “Direitos Indígenas e a questão ambiental: partilhando reflexões para a luta”.  Desse debate participaram várias lideranças indígenas, a Professora Dra. Alenice Baeta, historiadora e arqueóloga, e outros/as integrantes do CEDEFES, o frei Dr. Gilvander Moreira, da CPT, o Pablo Camargo, historiador e indigenista, da FUNAI (Fundação Nacional do Índio), entre outros.  Nesse vídeo, kapua Lana Pori, liderança indígena do Povo Puri, biólogo que trabalha na Prefeitura de Ibirité/MG, fala  da organização e da luta do povo Puri, sobrevivente ao genocídio imposto aos povos indígenas no Brasil. De modo particular, Kapua  fala dessa luta em um Distrito de Barbacena, MG, e região, para resgatar suas origens, sua cultura e fazer valer seus direitos à retomada de terras, ao acesso às políticas públicas, entre outros. Eni Carajá Filho, do Povo Carajá, fala de sua ancestralidade e aborda também a luta constante dos Povos Indígenas por reconhecimento, por direitos e sugere ações concretas para que essa luta tenha visibilidade e, assim, mais pessoas tenham conhecimento das dificuldades enfrentadas pelos indígenas em Belo Horizonte e RMBH. Em tempo de retomada do que lhes foi tirado pela colonização, os Povos Indígenas de Belo Horizonte e Região Metropolitana de BH contam com expressiva Rede de Apoio no fortalecimento dessa luta.  Por dignidade, por respeito, por direitos, Povos Indígenas e Rede de Apoio seguem firmes na luta e na resistência!

*Reportagem de frei Gilvander Moreira, da CPT, Dr. em Educação pela UFMG. Edição de Nádia Oliveira, da Equipe de Comunicação da CPT-MG. Belo Horizonte/MG, 23/4/2018.

** Inscreva-se no You Tube, no Canal Frei Gilvander Luta pela Terra e por Direitos, no link:
https://www.youtube.com/user/fgilvander e assista a outros vídeos de luta por direitos sociais. Se assistir e gostar, compartilhe. Sugerimos.



#FreiGilvander


sexta-feira, 15 de junho de 2018

Violência contra Povos Indígenas em Belo Horizonte, MG. CEDEFES. 4ª Part...

Violência contra os Povos Indígenas, em Belo Horizonte, MG: Roda de Conversa no CEDEFES. 4ª Parte. 23/4/2018.

Povos Indígenas, em Belo Horizonte, capital mineira, e na Região Metropolitana de BH (RMBH), ao longo dos anos, têm sido vítimas de violência, discriminação, preconceito e racismo por parte, principalmente, do Poder Público, que se nega a cumprir a lei na responsabilidade da assistência, do desenvolvimento de politicas públicas específicas para os Povos indígenas e ainda tenta lhes tirar seus direitos assegurados pela  Constituição Federal,  sem respeitar, sobretudo, sua legitimidade de verdadeiros donos das terras brasileiras.  Essa irresponsabilidade do Poder Público fomenta atitudes de ódio e violência, por parte da população e, sobretudo, por parte da Polícia Militar do Estado de Minas Gerais e da Guarda Municipal de Belo Horizonte, que se julgam com poder para intimidar, perseguir e violentar integrantes dos Povos Indígenas, tanto física como moralmente. Se nos causa indignação a violência, com tantos assassinatos de indígenas, nas matas e florestas, pela expropriação de suas terras pelos "brancos", essa mesma indignação se manifesta pela falta de respeito à dignidade dos Povos Indígenas nas cidades, especificamente, nesse caso, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Tanto nas matas como na cidade, essa violação de direitos é provocada pela ganância do capital e pela cumplicidade do Poder Público com o sistema do capital,  que se manifesta conivente dessas ações de violência. Essa alarmante e preocupante situação a que estão expostos os Povos Indígenas na cidade de Belo Horizonte e Região Metropolitana motivou a Roda de Conversa realizada no CEDEFES (Centro de Documentação Eloy Ferreira da Silva - www.cedefes.org.br ), em Belo Horizonte/MG, no dia 23/4/2018, que teve como tema: “Direitos Indígenas e a questão ambiental: partilhando reflexões para a luta”. Participaram dessa Roda de Conversa várias lideranças indígenas, a Professora Dra. Alenice Baeta, historiadora e arqueóloga, e outros/as integrantes do CEDEFES, o frei Gilvander Moreira, da CPT, o Pablo, da FUNAI (Fundação Nacional do Índio), entre outros.  A luta por respeito aos direitos dos Povos Indígenas na capital mineira e Região Metropolitana se intensifica e a Rede de Apoio cresce e se fortalece.  Respeitar os Povos Indígenas e seus direitos é dever de todos, o que passa por respeito aos seus saberes, à sua cultura, à sua vida.

*Filmagem de frei Gilvander Moreira, da CPT, das CEBs e do CEBI. Edição de Nádia Oliveira, da Equipe de Comunicação da CPT-MG. Belo Horizonte/MG, 23 de abril de 2018.

* Inscreva-se no You Tube, no Canal Frei Gilvander Luta pela Terra e por Direitos, no link: https://www.youtube.com/user/fgilvander e assista a outros vídeos de luta por direitos sociais. Se assistir e gostar, compartilhe. Sugerimos.



#FreiGilvander


terça-feira, 12 de junho de 2018

Ciganos da Lagoa de Santo Antônio, em Pedro Leopoldo/MG: Clamores por di...

Comunidade Cigana da Lagoa de Santo Antônio, em Pedro Leopoldo, MG: clamores por direitos. 10/6/2018.

Ausência de políticas públicas é um desrespeito aos direitos da Comunidade Cigana. Reza o Art, 5º da Constituição Brasileira de 1988 que “TODOS são iguais perante a Lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade.” Este, portanto, é apenas um dos tantos direitos garantidos, por Lei, também aos povos ciganos do Brasil. Entretanto, em Pedro Leopoldo, região metropolitana de Belo Horizonte, MG, a Prefeitura parece desconhecer a Lei e nada faz para que a Comunidade Cigana do Acampamento Cigano de Lagoa de Santo Antônio tenha acesso aos serviços públicos que garantam qualidade de vida com saúde, bem-estar e, sobretudo, dignidade. No entorno da Lagoa de Santo Antônio, o que se vê é um cenário de descaso e de agressão às famílias, especificamente, e ao Meio Ambiente. Tem-se a impressão, pela tubulação aberta, e com interior fétido, que esgoto está sendo despejado na Lagoa de Santo Antônio, o que é inadmissível. As famílias vivem no Acampamento sem condições sanitárias adequadas, expostas a doenças pela falta de água potável e pela poluição da Lagoa. Ações urgentes são necessárias no local, no sentido de se criar condições dignas de permanência e também em relação à assistência às famílias, possibilitando-lhes o acesso às políticas públicas necessárias e, além disso, faz-se necessário desenvolver políticas públicas específicas às Comunidades Ciganas, assegurando-lhes seus direitos fundamentais, tais como terreno adequado para suas moradias, atendimento de saúde, educação, assistência social, ambiental, garantindo rede de água, energia e saneamento, inclusive. Há toda uma Rede de Apoio mobilizada na luta pelos direitos das Comunidades Ciganas, composta Pela Associação Nacional dos Ciganos (ANEC), CEDEFES (Centro de Documentação Eloy Ferreira da Silva), CPT (Comissão Pastoral da Terra), MLB (Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas), MPF (Ministério Público Federal), Defensorias Estadual e da União, advogadas e advogados populares da RENAP (Rede Nacional de Advogadas e Advogados Populares), Professores e estudantes Universitários, dentre outros. Mexeu com os ciganos, mexeu com muitas forças vivas! Respeito aos povos ciganos, sempre!

*Vídeos originais, áudios e fotos da Professora Dra. Alenice Baeta, historiadora e arqueóloga, membro integrante do CEDEFES.

Apoio: Frei Gilvander Moreira, da CPT, das CEBs e do CEBI. Edição de Nádia Oliveira, da Equipe de Comunicação da CPT-MG. Pedro Leopoldo, MG, 10/6/2018.

* Inscreva-se no You Tube, no Canal Frei Gilvander Luta pela Terra e por Direitos, no link: https://www.youtube.com/user/fgilvander e assista a outros vídeos de luta por direitos sociais. Se assistir e gostar, compartilhe. Sugerimos.





Povos Indígenas em Belo Horizonte clamam por respeito e justiça. CEDEFES...

Povos Indígenas em Belo Horizonte clamam por respeito e justiça. CEDEFES. 3ª Parte. 23/4/2018.

Roda de Conversa realizada no CEDEFES (Centro de Documentação Eloy Ferreira da Silva - www.cedefes.org.br ),em Belo Horizonte/MG, no dia 23/4/2018, teve como tema: “Direitos Indígenas e a questão ambiental: partilhando reflexões para a luta” e contou com a participação de várias lideranças indígenas, da Professora Dra. Alenice Baeta, Historiadora e Arqueóloga, e outros/as integrantes do CEDEFES, do frei Gilvander Moreira, da CPT-MG, do Pablo, da FUNAI (Fundação Nacional do Índio), entre outros. Várias questões foram abordadas, considerando os graves problemas enfrentados pelos mais de 7.000 indígenas existentes em Belo Horizonte e região metropolitana, conforme Censo do IBGE de 2010, envolvendo preconceito, discriminação, violência e negação de direitos sociais. Nossos parentes indígenas, legítimos donos dessas terras brasileiras, não são tratados com o devido respeito, nem têm respeitados seu trabalho, sua cultura, sua história. Os indígenas enfrentam grande burocracia até mesmo para serem reconhecidos. Nesse vídeo, além de relatos dessa luta por direitos na capital mineira, a manifestação determinada, corajosa e comovente de Angohò Pataxó, clamando por respeito e justiça para com os Povos indígenas, em Belo Horizonte e região metropolitana.

*Filmagem de frei Gilvander Moreira, da CPT, das CEBs e do CEBI. Edição de Nádia Oliveira, da Equipe de Comunicação da CPT-MG. Belo Horizonte/MG, 23 de abril de 2018.

* Inscreva-se no You Tube, no Canal Frei Gilvander Luta pela Terra e por Direitos, no link: https://www.youtube.com/user/fgilvander e assista a outros vídeos de luta por direitos sociais. Se assistir e gostar, compartilhe. Sugerimos. 




domingo, 10 de junho de 2018

CPT/MG: 40 anos de luta - 1979 a 2019 – Celso fez história na CPT - 2ª P...

Nos caminhos e nas trilhas da CPT/MG: 40 anos de luta - 1979 a 2019 – Celso fez história na CPT - 2ª Parte – 10/3/2018.

 A Comissão Pastoral da Terra (CPT), em Minas Gerais, vai celebrar, em 2019, 40 anos de uma caminhada de luta junto aos Movimentos Sociais Populares, em defesa das camponesas e camponeses, em defesa das águas e da mãe terra, sempre em consonância com o Evangelho de Jesus de Nazaré, com o compromisso radical ao seu projeto de vida e dignidade para todas e todos. Essa luta, desde o início, é marcada pelo enfrentamento corajoso ao poder do sistema capitalista que viola direitos, fere a dignidade humana e destrói a vida em toda sua biodiversidade. Dedicando-se ao resgate da memória histórica dessa caminhada, frei Gilvander Moreira e a Equipe de Resgate dos 40 anos de luta da CPT/MG colhem depoimentos, relatos, testemunhos, histórias e vivências de Agentes de Pastoral da Comissão Pastoral da Terra e/ou pessoas a eles/elas ligadas. Nesse vídeo, a segunda parte da reportagem feita com Celso de Souza Silva, de Araçuaí, região do Médio Jequitinhonha, ex-Agente de Pastoral da CPT-MG. O depoimento profético, emocionante de Celso é motivação e inspiração nessa luta que segue.

*Reportagem de frei Gilvander Moreira, da CPT, das CEBs e do CEBI. Edição da Professora Nádia Oliveira, da Equipe de Comunicação da CPT/MG. Araçuaí/MG, 10 de março/2018.  



*Inscreva-se no You Tube, no Canal Frei Gilvander Luta pela Terra e por Direitos, no link: https://www.youtube.com/user/fgilvander e assista a outros vídeos de luta por direitos sociais. Se assistir e gostar, compartilhe. Sugerimos.


sábado, 9 de junho de 2018

Vem aí a XXI Romaria das Águas e da Terra/MG– Reunião em Lagoa da Prata/...

Vem aí a XXI Romaria das Águas e da Terra do Estado de Minas Gerais – Reunião em Lagoa da Prata/Diocese de Luz/MG – 12/5/2018.

Aconteceram em Lagoa da Prata, Diocese de Luz/MG, nos dias 11 e 12 de maio/2018, as 5ª e 6ª reuniões de preparação da XXI Romaria das Águas e da Terra do Estado de Minas Gerais, a ser realizada dia 16 de setembro/2018, em Lagoa da Prata/MG. Mais uma vez, a participação especial de Dom Aristeu, bispo da Diocese de Luz, que falou da importância da realização dessa Romaria como marco da celebração do centenário da Diocese. Com alegria e entusiasmo, movidos pelo ardor profético e missionário, os participantes planejaram diversas ações que fazem parte desse processo da XXI Romaria das Águas e da Terra do Estado de Minas Gerais, como os Círculos Bíblicos, Semana Missionária, as Pré-Romarias, entre outras, todas voltadas para a reflexão e o debate provocados por essa Romaria que tem como tema: : “Das Nascentes do São Francisco às Terras da Justiça” e como lema: “Cuidando da Mãe Terra e da Irmã Água”. Foram divulgadas também nessa reunião as datas das

Pré-Romarias que serão realizadas na Diocese de Luz, em preparação à XXI Romaria das Águas da Terra do Estado de Minas Gerais:

23/6 (sábado) – Abaeté – 13h às 17h – Paróquia Nossa Senhora do Patrocínio;
24/6 (domingo) – Arcos – Comunidade de Santos Reis;
24/6 (domingo) – Santuário Diocesano de Campos Altos;
05/8 (domingo) – São Roque de Minas – Cachoeira Casca D’Anta; 22/8 (quarta-feira) – Formiga – Seminário na UNIFOR.

Seja você também um romeiro, uma romeira da Mãe Terra e da Irmã Água. Participe da XXI Romaria das Águas e da Terra do Estado de Minas Gerais.
Reportagem em vídeo de frei Gilvander Moreira, da CPT, das CEBs e do CEBI.
Edição do vídeo por Nádia Oliveira, da Equipe de Comunicação da CPT/MG. Lagoa da Prata/MG, 05/5/2018.

Você pode acompanhar a XXI Romaria das Águas e da Terra do Estado de Minas Gerais pelo sites: www.romariadasaguasedaterramg.org.br  / www.cptmg.org.br  E também pelos meios de divulgação de Frei Gilvander Moreira: www.gilvander.org.br  / www.freigilvander.blogspot.com.br

 Inscreva-se no You Tube, no Canal Frei Gilvander Luta pela Terra e por Direitos, no link: https://www.youtube.com/user/fgilvander e assista a outros vídeos de luta por direitos sociais. Se assistir e gostar, compartilhe. Sugerimos.



quinta-feira, 7 de junho de 2018

Luta por terra e moradia é sagrada. Culto/Acamp. Nova Jerusalém/Nova S...

A luta por terra e por moradia é abençoada e legítima. Culto Ecumênico no Acampamento Nova Jerusalém, em Nova Serrana, MG. 3ª Parte, 11/5/2018.

As famílias do Acampamento Nova Jerusalém, em Nova Serrana/MG,  injustamente despejadas da fazenda Canta Galo no dia 26/4/2018, depois de 6 anos ali morando e cultivando a terra, desenvolvendo a Agricultura Familiar, num trabalho solidário e coletivo, reúnem-se para a celebração de Culto Ecumênico, presidido por frei Gilvander Moreira, da CPT, com a participação do Pastor Antônio Nogueira, da Pastora Vilma Nogueira e do Pastor Eronildes. A certeza de que o Deus da Vida abençoa a sua luta anima sua esperança e os fortalece na caminhada.  A fé nessa presença de Deus que coloca-se ao ao lado dos oprimidos e injustiçados motiva e inspira sua coragem e sua determinação em reocupar a fazenda Canta Galo, voltando para a terra e para suas moradias (ou para o que delas ainda existe, já que muitas casas foram arrombadas ou praticamente demolidas), onde têm garantida a sobrevivência com paz e dignidade.

*Filmagem de Luciana, do Acampamento Nova Jerusalém, em Nova Serrana/MG. Apoio de frei Gilvander Moreira, da CPT, das CEBs e do CEBI. Edição de Nádia Oliveira, da Equipe de Comunicação da CPT-MG.

* Inscreva-se no You Tube, no Canal Frei Gilvander Luta pela Terra e por Direitos, no link: https://www.youtube.com/user/fgilvander e assista a outros vídeos de luta por direitos sociais. Se assistir e gostar, compartilhe. Sugerimos.



#FreiGilvander


segunda-feira, 4 de junho de 2018

Deus caminha com seu povo em luta. Culto no Acamp. Nova Jerusalém/Nova S...

O Deus da Vida caminha com seu povo em luta pela "terra prometida". Celebração Ecumênica no Acampamento Nova Jerusalém, em Nova Serrana/MG. 2ª Parte. 11/5/2018.

A certeza de que o Deus da vida caminha com seu povo que luta pela terra e por direitos anima e fortalece as famílias do Acampamento Nova Jerusalém, em Nova Serrana, no centro-oeste de MG, que no dia 26/4/2018 sofreram covarde e injusto despejo da Fazenda Canta Galo, onde, há 6 anos, com dignidade, viviam em suas casas e cultivavam a terra, desenvolvendo a Agricultura Familiar. Nesse vídeo, a 2ª parte da Celebração Ecumênica realizada no Acampamento, presidida por frei Gilvander Moreira, da CPT. Nessa Celebração a partilha da luta, dos momentos de angústia, da indignação e, sobretudo, a partilha da fé, da esperança em Deus que está presente nessa luta, os abençoa e  os guia na determinação corajosa de voltar para Fazenda Canta Galo, para suas casas e continuar lutando pela terra que lhes garante sobrevivência com dignidade.

*Filmagem de Luciana, moradora do Acampamento Nova Jerusalém, em Nova Serrana/MG. Apoio: Frei Gilvander Moreira, da CPT, das CEBs e do CEBI. Edição de Nádia Oliveira, da Equipe de Comunicação da CPT-MG.

* Inscreva-se no You Tube, no Canal Frei Gilvander Luta pela Terra e por Direitos, no link: https://www.youtube.com/user/fgilvander e assista a outros vídeos de luta por direitos sociais. Se assistir e gostar, compartilhe. Sugerimos.



#FreiGilvander


sábado, 2 de junho de 2018

Pelo direito à terra, reocupação da Fazenda Canta Galo, em Nova Serrana ...

Reocupação da Fazenda Canta Galo: Ocupação Nova Jerusalém, em Nova Serrana, MG: pelo direito de viver e produzir na terra com dignidade. 31/5/2018.

Depois de 3 semanas vivendo na beira do rio Pará, enfrentando muitas dificuldades, passando por necessidades diversas, por causa do injusto e covarde despejo da Fazenda Canta Galo, onde viviam e produziam na terra com dignidade, as famílias do Acampamento Nova Jerusalém decidiram reocupar a Fazenda. Nesse tempo, na beira do rio Pará, esperaram por uma manifestação do Governo de Minas Gerais, que não se posicionou. Além disso, bateu-lhes forte no peito a indignação por verem a área pública que ocupavam sendo totalmente ocupada por bois e vacas de aliados de Prefeitos da região, envolvidos no Consórcio Intermunicipal de Aterro Sanitário, que foi o argumento usado para o despejo. No dia 25/5/2018, as famílias reocuparam a Fazenda Canta Galo e já estão se reorganizando como Comunidade, vivendo em suas casas ou no que restou delas, já que depois do despejo muitas foram arrombadas e outras foram praticamente demolidas, e já se dedicam também ao plantio da terra. As famílias estão determinadas a lutar pelo direito a essa terra, onde construíram suas moradias e vivem há 6 anos, desenvolvendo Agricultura Familiar que gera renda e lhes garante vida digna. Essa luta tem o apoio de muita gente de bem. “Pátria Livre! Venceremos!”

*Filmagem de Luciana, da Ocupação-Comunidade Nova Jerusalém, na Fazenda Canta Galo, município de Nova Serrana, MG.
Apoio: Frei Gilvander Moreira, da CPT, da CEBs e do CEBI.
Edição de Nádia Oliveira, da Equipe de Comunicação da CPT-MG.

* Inscreva-se no You Tube, no Canal Frei Gilvander Luta pela Terra e por Direitos, no link: https://www.youtube.com/user/fgilvander e assista a outros vídeos de luta por direitos sociais. Se assistir e gostar, compartilhe. Sugerimos.