segunda-feira, 25 de julho de 2016

Dom Aloísio Vitral/19a Romaria das águas e da terra/MG: "Somos terra, so...

CPT acolhe todos: 19a Romaria das águas e da terra de MG em Ladainha, Di...

Na 19a Romaria das águas e da terra de MG, em Ladainha, Vale do Mucuri, ...

Carta da 19ª Romaria das águas e da terra de Minas Gerais, em Ladainha/MG, no Vale do Mucuri, Diocese de Teófilo Otoni, dia 24/07/2016.

Carta da 19ª Romaria das águas e da terra de Minas Gerais, em Ladainha/MG, no Vale do Mucuri, Diocese de Teófilo Otoni, dia 24/07/2016.

Sob a inspiração da Campanha da Fraternidade de 2016 – Nossa Casa Comum, corresponsabilidade de todos - nós, romeiras e romeiros da mãe terra e da irmã água, de várias dioceses do Estado e de todas as paróquias da Diocese de Teófilo Otoni, dia 24 de julho de 2016, dia também de Romaria da terra nos Estado do Rio de Janeiro e São Paulo, participamos da 19ª Romaria das águas e da terra de Minas Gerais, na cidade de Ladainha, ao lado de uma represa e da Pedra, símbolo da cidade, no Vale do Mucuri, MG, na Diocese de Teófilo Otoni, com o tema: Somos água, somos terra, queremos bem viver; e com o lema: Unir povos do campo e da cidade em defesa das florestas. Terra e água, fonte de vida. Com dança do Vilão, músicas, poesias, causos e participação de Carlos Farias, a Noite Cultural encantou a todos.Dezenas de missionárias/os vindas/os de várias regiões de Minas fizeram uma semana de missão em preparação para a 19ª Romaria em 23 comunidades do município de Ladainha, no campo e na cidade. Fomos muito bem acolhidas/os pela Paróquia do Sagrado Coração de Jesus e pelas comunidades de Ladainha. O bispo dom Aloísio Vitral, da Diocese de Teófilo Otoni, acolheu com alegria e deu todo apoio à preparação e à realização da 19ª Romaria. As comunidades se prepararam para a Romaria fazendo três encontros de reflexão a partir de uma Cartilhacom os temas: 1º) Somos terra e criados para o bem viver; 2º) Água e terra: fonte de vida, direito de todos; e 3º) Bem viver, sonho de todos. As/os missionárias/os voltaram radiantes das missões, porque experimentaram a presença do Deus da vida no meio do povo, ouviram muitas histórias, visitaram centenas de famílias, refletiram e celebraram a fé na luta pela terra e pelas águas. Quanta fé!  Quanta resistência e sabedoria! Hortas nos quintais, piscicultura, produção de doces, dentre tantas belezas culturais. Ladainha, emancipada em 1949, tem 17 mil habitantes, sendo 75% na zona rural; tem 26 escolas municipais, sendo apenas uma nucleada; ainda é um dos municípios com um razoável índice de preservação do Vale do Mucuri, isso porque o que predomina são pequenas e médias propriedades. Mas as missões também revelaram muitos problemas e desafios experimentados pelas comunidades rurais: meios de transporte precário e muito caro para vir à cidade, nascentes e rios secando, muitas pessoas adoecidas sem atendimento, o povocamponês está sofrendo muito, há vários relatos de abandono do poder público, principalmente nas áreas de saúde e no atendimentosos idosos, com poucas oportunidades para geração de renda, comforte migração de jovens para São Paulo (Só em Ubatuba, SP, há 11 mil eleitores nascidos em Ladainha), monocultura de eucalipto, desmatamento e pecuária. Está muito ruim a qualidade da água da COPANOR, que é subsidiária da COPASA. Já fizeram 3 poços artesianos para captar água para 3 comunidades. A represa existente ao lado da cidade de Ladainha, represando o rio Mucuri braço Norte foi desativada pela CEMIG em 2015, porque não tem mais condições de gerar energia por falta de água por causa do grande número de nascentes e rios que secaram na região nos últimos anos. A 19ª Romaria das águas e terra foi promovida pela Comissão Pastoral da Terra (CPT), Diocese de Teófilo Otoni, Paróquia Sagrado Coração de Jesus e Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) de Ladainha, com apoio da Adveniat, Misereor e da Prefeitura de Ladainha e outros.A 19ª Romaria aconteceu em uma região rica em manifestações da cultura popular, fruto da mistura de diferentes povos: migrantes europeus, árabes, negros e indígenas Maxakali e Mukurin, primeiros habitantes do Vale do Mucuri, que sobrevivem em pequenas aldeias e lutam pelo resgate de seus territórios e participam juntos com várias comunidades de remanescentes quilombolasda luta pela preservação da biodiversidade e da cultura em suas comunidades.A esses povos indígenas se somam também os povos Aranã, Pataxó e Pankararu, que habitam bem próximo, no Vale do Jequitinhonha.Com esses parentes nossos povos indígenas nos ensinam que a terra e as águas são sagradas. A terra é um grande corpo vivo e as águas são seu sangue. Às 06:00h, as romeiras/os foram acolhidas/os na praça do Pontilhão, entrada de Ladainha. Após o café da manhã comunitário, iniciamos a 19ª Romaria com uma caminhada celebrativa com paradas: na entrada da cidade, no novo prédio do Hospital municipal Dr. Arthur Rausch e na Praça da Alegria. Concluímos com um grande ofertório ao povo Maxakali, celebração eucarística e almoço comunitário. Canções de espiritualidade libertadora, tal como “Romaria da terra faz o povo reunir, numa luta sem guerra, lutaremos por ti ...”, denúncias e anúncios de experiências a serem cultivadas animaram nossa 19ª Romaria. Na 19ª Romaria também foram denunciados os golpes aos direitos sociais do povo que estão em curso no Brasil. Repudiamos o golpe parlamentar, da mídia e do judiciário que, sem crime de responsabilidade, arrancou a presidenta Dilma do exercício do seu mandato legitimamente eleita por 54 milhões de eleitores, maioria. Seguiremos na luta contra os golpes que estão sendo dados no povo brasileiro, cientes de que os golpistas parecem gigantes, mas têm pés de barro.Com as bênçãos de N. Sra Aparecida e da Boa Viagem, de São Francisco, do Sagrado Coração de Jesus e das boas energias e experiências da 19ª Romaria, gratos a todas/os que participaram,nos despedimos para sermos romeiras e romeiros da terra e das águas no cotidiano nas nossas comunidades. Comprometemo-nos em continuar na luta coletiva pela terra e pela permanência no campo e pela preservação das águas, porque a terra e as águas são nossa vida e nosso futuro. Até a 20ª Romaria da terra e das águas de Minas em 2017.

Questão habitacional em Belo Horizonte, injustiça urbana crescente. E luta crescente também. (Debate na TV Assembleia, em 22/07/2016).

Questão habitacional em Belo Horizonte, injustiça urbana crescente. E luta crescente também. (Debate na TV Assembleia, em 22/07/2016).

A luta de mais de 25.000 famílias das ocupações de Belo Horizonte, MG, construiu 5 vezes mais moradias do que a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH). A PBH mais destrói moradias do que constrói. Essa luta é legítima e constitucional, é por dignidade e liberdade. Segundo o IPEA, de 2007 a 2012, o déficit habitacional em Belo Horizonte cresceu em 123.000 moradias.
Confira no link, abaixo, o 1º bloco do debate sobre a reforma urbana na TV Assembleia, dia 22/07/2016, por frei Gilvander Luís Moreira (CPT), Luiz Fernando Vasconcelos (das Brigadas Populares e Coletivo Margarida Alves), Silke Kapp (profa. Dra. da UFMG) e Alessandro (presidente da COHAB do Governo de MG. Se gostar, compartilhe e divulgue para reforçar a luta por moradia própria, digna e adequada, caminho necessário para Reforma Urbana.
(Primeiro bloco do debate)

(Segundo bloco do debate)

Questão habitacional em Belo Horizonte, injustiça urbana crescente. E luta crescente também. (Debate na TV Assembleia, em 22/07/2016).

Questão habitacional em Belo Horizonte, injustiça urbana crescente. E luta crescente também. (Debate na TV Assembleia, em 22/07/2016).
A luta de mais de 25.000 famílias das ocupações de Belo Horizonte, MG, construiu 5 vezes mais moradias do que a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH). A PBH mais destrói moradias do que constrói. Essa luta é legítima e constitucional, é por dignidade e liberdade. Segundo o IPEA, de 2007 a 2012, o déficit habitacional em Belo Horizonte cresceu em 123.000 moradias.
Confira no link, abaixo, o 1º bloco do debate sobre a reforma urbana na TV Assembleia, dia 22/07/2016, por frei Gilvander Luís Moreira (CPT), Luiz Fernando Vasconcelos (das Brigadas Populares e Coletivo Margarida Alves), Silke Kapp (profa. Dra. da UFMG) e Alessandro (presidente da COHAB do Governo de MG. Se gostar, compartilhe e divulgue para reforçar a luta por moradia própria, digna e adequada, caminho necessário para Reforma Urbana.


II bloco: http://www.almg.gov.br/acompanhe/tv_assembleia/videos/index.html?idVideo=1073093&cat=85 (Segundo bloco do debate)

quinta-feira, 21 de julho de 2016

XIX Romaria da terra e das águas do estado de Minas Gerais, na cidade de Ladainha, Diocese de Teófilo Otoni, dia 24 de julho de 2016.

XIX Romaria da terra e das águas do estado de Minas Gerais, na cidade de Ladainha, Diocese de Teófilo Otoni, dia 24 de julho de 2016.

Está chegando a XIX Romaria da terra e das águas do estado de Minas Gerais, na cidade de Ladainha, Diocese de Teófilo Otoni, dia 24 de julho de 2016. Já está acontecendo 1 semana de Missões de preparação para a XIX Romaria nas comunidades do campo e da cidade do município de Ladainha.
Tema: “Somos Água, Somos Terra, Queremos Bem Viver.”
Lema: “Unir Povos do Campo e da Cidade em defesa das Florestas, Terra e Água fonte de Vida”.
Todos/as estão convidados/as! Sejam bem-vindos/as!

Histórico das Romarias da terra e das águas do estado de Minas Gerais.

XIX Romaria das Águas e da Terra de Minas Gerais
Ladainha, Teófilo Otoni.
Convocada pela memória subversiva do Evangelho da Vida e da Esperança, fiel ao Deus dos pobres, à terra de Deus e aos pobres da terra, ouvindo o clamor que vem dos campos e florestas, seguindo a prática de Jesus, a CPT- Comissão Pastoral de Terra, há quatro décadas, vem realizando em todo Brasil Romarias da Terra, que com o tempo, passaram a ser Romarias das Águas e da Terra. As romarias consistem em espaço importante de reflexão, de celebração, anúncio, denúncia e posicionamento frente à concentração de terras, à privatização das Águas, enfim aos direitos negados aos povos do campo, da cidade e das florestas.
No quadro da escuridão política, econômica, social e ambiental que domina o cenário de nosso país, resultando na realidade de conflitos e morte no campo e na cidade, esta XIX Romaria é marcada também pelo lastimável mar de lama a partir do rompimento de uma barragem de rejeitos da Empresa de mineração Samarco, propriedade da Vale do Rio Doce e da Anglo Australiana BHP Billiton que provocou a morte de dezenas de pessoas e de toda espécie de vida dentro e fora do Rio Doce desde Mariana em Minas Gerais a Linhares no Espírito Santo. O povo está decidido a não se calar: Traz no sangue rebeldia e resistência, afirmação da liberdade e luta por justiça social.
Desde 1996 a Romaria das Águas e da Terra vem sendo celebrada em caráter estadual. Um momento forte de celebração da vida e reconhecimento da santidade de nossa Irmã Água e Mãe Terra. Deus criou a terra e a água, para que haja vida e vida em abundância. São Francisco, patrono da romaria, é o símbolo da sociedade que queremos, onde tudo e todos são irmãos. Nessas Romarias denunciamos a privatização das águas, a concentração da terra, os grandes projetos que destroem a natureza e estão servindo de lucro para grandes empresas, em detrimento de muitas vidas. Anunciamos também conquistas e vitórias, a organização do povo, o reencontro com a terra prometida e partilhamos saberes e sabores.
Este ano, celebraremos a décima nona Romaria das Águas e da Terra em Ladainha-MG, com o tema “Somos Água, Somos Terra, Queremos Bem Viver” e com o lema: “Unir Povos do Campo e da Cidade em defesa das Florestas, Terra e Água fonte de Vida”.

Lembremos as 18 Romarias das águas e da terra do estado de Minas Gerais:

– 1ª Romaria em Manga, Norte de Minas, às margens do Rio São Francisco, em 1996, com o tema “Terra e Água para viver”.
– 2ª Romaria em Nova Era, Vale do Aço, às margens do Rio Piracicaba, em 1997, com o tema “Terra e Água, Clamor por Justiça”.
– 3ª Romaria em Jequitinhonha, Vale do Jequitinhonha, às margens do Rio Jequitinhonha, em 1998, com o tema “Terra e Água, Herança de Deus”.
– 4ª Romaria em Ponte Nova, Zona da Mata, Rio Piranga, em 1999, com o tema “Terra e Águas Livres. Este sonho não pode ser inundado”.
– 5ª Romaria em São José da Safira, Vale do Rio Doce, Rios Urupuca e Suaçuí, em 2000. “Terra e Água conquistadas. Vidas Resgatadas”.
– 6ª Romaria em Salinas, Norte de Minas, às margens do Rio Salinas, em 2001, com o tema: “Terra e Água! Clamor de Vida!”
– 7ª Romaria em Águas Formosas, Vale do Mucuri, em 2002, com o tema: “Dividir a Terra e a Água é Multiplicar o Pão”.
– 8ª Romaria em Tupaciguara, Triângulo Mineiro, em 2003, com o tema: “Água e Terra pra Viver e Conviver”.
– 9ª Romaria em Pirapora, Norte de Minas – Rio São Francisco, em 2004: “Terra nossa Mãe, Água nossa Vida, cuidar das veias vivas da Terra”.
– 10ª Romaria em Janaúba, Norte de Minas, às margens do Rio Gorutuba, em 2006, com o tema: “Terra e Água, Força de Vida”.
– 11ª Romaria aconteceu em Belo Horizonte (2007) com o tema: “Terra e Água, no campo e na cidade, a Vida em primeiro lugar”.
– 12ª Romaria em Cachoeira Escura / Belo Oriente, às margens do Rio Doce, em 2008, com o tema: “Terra e Água, Clamor pela Vida!”
– 13ª Romaria em Itinga, Vale do Jequitinhonha, em 2009, com o tema: “Terra e Águas de Minas pedem Socorro. Escolhe pois a Vida.”
– 14ª Romaria em Januária, Norte de Minas, em 2010. Tema: “Nas Terras e Águas dos Gerais, a memória e resistência dos nossos Ancestrais”.
– 15ª Romaria em Almenara, Vale do Jequitinhonha, em 2011. Tema: “Terra e Água, Dádiva de Deus, Garantia de Vida”.
– 16ª Romaria em Governador Valadares, às margens do Rio Doce, em 2012, com o tema: “Terra e Água: Princípio e Sustentabilidade da Vida”.
– 17ª Romaria: Miradouro, Zona da Mata, (2013), com o tema: “Juventude no campo e na cidade, defendendo nosso chão, nossa gente e a criação”.
– 18ª Romaria: Quilombo Brejo dos Crioulos em 2015. Tema: “Território Quilombola, Luta e Resistência. Juntos fazemos a diferença”.
– 19ª Romaria em Ladainha, Diocese de Teófilo Otoni, às margens do Rio Mucuri. (24/07/2016). Tema: “Somos Água, Somos Terra! Queremos Bem Viver!” Realizam-se missões populares e grande concentração.